Celular Pirata – Como Saber, Riscos e Bloqueio da Anatel

  

Ao que tudo indica, os celulares piratas já estão com os dias contados no Brasil. Isso porque a Agência Nacional de Telecomunicações, a Anatel, divulgou que a partir do mês de setembro irá começar a bloquear essa modalidade de aparelhos.

Sendo assim, os telefones celulares que não estiverem regularizados e com a certificação da Agência, estarão impedidos de realizar a conexão às redes de operadoras móveis. Conforme a legislação nacional, os responsáveis pelo impedimento na habilitação e na conexão em redes dos produtos não homologados são as próprias operadoras de telecomunicação, que precisarão fiscalizar as ações.

É importante ressaltar, todavia, que aqueles aparelhos que forem piratas e que já estão em pleno funcionamento, não serão afetados pela decisão. Sendo assim, nenhum consumidor que o utilize será prejudicado com a nova medida. Já os novos dispositivos irregulares não terão acesso e não poderão ser ativados.

Até o momento, há uma estimativa de que, pelo menos, um milhão dos aparelhos são piratas e estão ativados em todo o Brasil. O dado leva em conta os últimos meses e é considerado grande, já que os smartphones são os quartos colocados em uma lista oficial dos produtos mais pirateados no país.

É fundamental saber que, antes do bloqueio, as operadoras ainda irão alertar os clientes sobre os aparelhos não regularizados. Sendo assim, o celular somente será oficialmente bloqueado 75 dias depois.

O que é um celular pirata?




Um celular considerado pirata é aquele que, em sua maioria, é produzido com alguns materiais de qualidade inferior. Além disso, muitos desses aparelhos são contrabandeados, o que prejudica a indústria nacional, uma vez que são muito mais baratos do que os originais.

Riscos do smartphone pirata

Além da integridade das informações e da privacidade do usuário do celular, um smartphone pirata também compromete a segurança da pessoa que o utiliza. Isso porque não há nenhuma garantia da proteção dele contra alguns riscos, como surtos elétricos, baterias que reagem a altas cargas, entre outros.

Como saber a procedência?

Quando você for comprar um celular e quiser saber sobre a procedência do mesmo, é preciso consultar o número da Identificação Internacional de Equipamento Móvel, o IMEI. Esse é formado por uma sequência que identifica o dispositivo.

Para consultá-lo, basta abrir o aplicativo para chamadas no smartphone, como quando se faz uma ligação. Digite o código *#06# e anote o número que aparecerá na tela. Esse deve ser igual ao que está na caixa do celular. Se for diferente, há grandes chances de que ele seja pirata.

Kellen Kunz






Postar Comentário