Pixel 3 2019 – Análise e Ficha Técnica





Confira aqui as principais qualidades e defeitos do Pixel 3.

O especialistas do site estão mantendo novo smartphone, o Pixel 3, sobre sua bancada, no sentido de prosseguir os contínuos testes com o aparelho.

Depois de alguns dias de experimentação, foi possível verificar que o novo aparelho da Google realmente faz jus à fama e à promessa desta grande empresa, já que o mesmo dispõe de câmeras eficientes, entre outras especificações. Com este aparelho, o consumidor terá chance de registrar seus melhores momentos, num dia, sem preocupar-se com o esvaziamento da bateria.




É importante observar que outro modelo, o Pixel 2, não teve muito sucesso nos testes realizados pelos especialistas. O teste prático sobre o desempenho da bateria, o famoso teste de estresse, aferiu que o dispositivo aguenta apenas 9 ciclos, dispondo de 2.700 mAh.

Assim, o objetivo dos especialistas, agora, é averiguar se a capacidade foi acrescida nesta nova geração e se o mesmo dispositivo dá conta de todas as demais funções acrescentadas pela companhia, tais como uma tela de maiores dimensões e um hardware muito mais robusto.


Este novo Pixel 3 conta com alguns dos seguintes atributos:

Munido de bateria com 2.915 mAh de capacidade, o aparelho pode ostentar o processador Snapdragon 845, articulado com a função de 4 GB de Memória RAM, equipado com uma tela tipo AMOLED em 5,5 polegadas, apresentando a resolução em Full HD+, dentro do padrão de proporção 18:9. O seu sistema operacional funciona pelo Android 9.0 Pie, o qual já está atualizado para o Patch de dezembro deste ano.

De acordo com os testes, que visavam aferir o quanto de tempo este novo Pixel 3 aguentava, a avaliação em tempo real se deu partir das 7 horas do dia 20 de dezembro de 2018, no caso, dentro do o horário de verão de Brasília. Ao longo deste teste, foram realizados ciclos cronometrados na execução de Apps; de jogos e nos serviços mais populares, como também, obviamente, as devidas ligações via redes móveis.

Conforme os resultados do teste de velocidade, curiosamente o aparelho Pixel 3 apresentou um desempenho, em certa medida, inferior ao que foi avaliado no aparelho Pixel 2, que opera via Android Oreo. Ainda assim, o Pixel 3 possui vantagem.

Durante a primeira volta foi possível registrar um tempo de até 53 segundos, sendo, entretanto, necessários mais outros 18 segundos, no sentido de que todos os 12 Apps estivessem definitivamente reabertos e os especialistas pudessem, assim, encerrar o cronômetro, o que totalizou o tempo de 1 minuto e 11 segundos.

Os testes deixaram bem claro, também, que durante o tempo em que o Pixel 3 estava, por assim dizer, finalizando a sua primeira volta, o OnePlus 6T já estava com sua fase de teste completa, nesse quesito, embora ambos os aparelhos sejam portadores do dispositivo Snapdragon 845, o que evidencia que o "Android Puro" da Google ainda não está tão otimizado, como se poderia acreditar.

Com relação aos chamados testes de Benchmark, foi possível avaliar que a decisão da Google em fazer reduzir o Clock do Snapdragon 845 não foi uma medida muito acertada, dado que foram encontradas pontuações bem inferiores em absolutamente todos os testes realizados pelos especialistas do site, e isso em comparação com outros modelos, os quais portam a mesma plataforma funcional.

Concluindo, sumariamente, o novo Pixel 3 não apresentou grande autonomia, desapontando os profissionais que o testaram. O procedimento da Google de inserir apenas 2.930 mAh, em capacidade de armazenamento de energia, sendo este um modelo muito potente, munido de eficiente tela OLED em 5,5 polegadas Full HD+, foi quase um tiro no pé. A balança pesou demais apenas para um lado. O Android 9.0 Pie não é capaz de gerenciar todo esse conjunto de modo a entregar pelo menos um dia de utilização frequente, longe das tomadas.

Paulo Henrique dos Santos





Postar Comentário