Apple Card – Cartão de Crédito do iPhone




Conheça aqui mais informações sobre o Apple Card, novo cartão de crédito do iPhone.

Há algumas temporadas, rumores de que a Apple lançaria seu cartão de crédito foram pautas de muitos veículos de tecnologia. No dia 25 de março, este boato enfim se tornou realidade. Com a parceria firmada entre a empresa de tecnologia, o banco Golden Sachs e a administradora de pagamentos Mastercard, foi lançado o seu cartão de crédito, totalmente integrado com o iPhone e o sistema de pagamentos Apple Pay.

O principal destaque fica por conta da facilidade de uso por parte do consumidor. Durante sua conferência realizada no dia 25, a empresa detalhou como irá funcionar o aplicativo de controle do dinheiro de plástico. O visual chama a atenção, já que na tela do iPhone o cartão tem as cores rosa, amarelo e parte do verde. Abaixo o usuário tem um controle de seu saldo, o quanto já consumiu, sua atividade, a data do pagamento da fatura e um botão de cor preta com a disponibilidade para pagamento da fatura.


Para a Apple, o cartão foi pensado para aquelas pessoas que desejam levar uma vida mais saudável financeiramente, apostando na simplicidade para o controle dos gastos. Relatórios semanais e por categorias também se destacam, dando todos os detalhes evitando assim a emissão de papel por conta das faturas.

Sem anuidade com retorno do valor gasto em compras

A Apple afirmou durante a apresentação que seu cartão de crédito não possui anuidade. É um diferencial dos grandes bancos, mas algo que se aproxima de opções que aqui no Brasil já estão presentes como a Nubank e o Digio. Os cartões sem anuidade já são uma tendência trazida pelas fintechs, empresas que são criadas com foco na alternativa para os grandes bancos.

Outro fator atrativo para o cartão da Apple é a isenção em outras taxas. Se o consumidor ultrapassar seu limite de crédito ou realizar alguma transação internacional, a empresa não cobrará taxa alguma do usuário. Se implantado corretamente e cair no gosto do público, a tendência é que estas taxas também caiam por terra.


Outro atrativo do cartão da gigante americana é o retorno que o consumidor terá em suas compras: segundo a Apple, nos serviços da Apple como a App Store, três por cento de cada transação retornará como forma de cashback. Já em outras compras efetuadas com a versão digital do cartão, o cashback será de dois por cento.

Versão física

A Apple, apesar de querer facilitar as coisas, não abrirá mão da versão física do cartão. Nesta modalidade o cashback é de um por cento nas compras. Por aqui a Apple também surpreendeu, trazendo as massas um cartão com construção em titânio. No Brasil, apenas o Bradesco oferece este tipo de dinheiro de plástico destinado aos clientes com maior poder aquisitivo.

Disponibilidade restrita

O público dos Estados Unidos será o primeiro a possuir a novidade. Por lá, o cartão deve chegar nas próximas semanas, podendo se tornar um fenômeno. Em terras americanas, como citamos anteriormente, a administração do cartão e divisão dos lucros fica com a Goldman Sachs, grupo financeiro conhecido mundialmente, com negócios em investimentos, por exemplo. A bandeira é Mastercard, também citado anteriormente na matéria. Não foi divulgado, mas é possível que os clientes utilizarão os benefícios de recompensa da bandeira Mastercard.

O objetivo é que o cartão chegue até o fim de ano ao velho continente. A Europa também é um dos focos deste dinheiro de plástico, de acordo com a Apple.

E o Brasil

Ainda não se sabe quando chega no Brasil. A Apple não divulgou qual é o seu objetivo em terras tupiniquins, apesar da administradora de cartões Goldman possuir negócios, apesar de tímidos, no Brasil.

Muitos ventilam que o Itaú seja o responsável pela administração do cartão devido a parceria com o banco na chegada do Apple Pay por aqui. A Mastercard poderia ajudar a introduzir o Apple Card, já que é líder na emissão de cartões no Brasil.

Por Leandrinho de Souza





Postar Comentário